Dançando na Chuva

12-set-2017 Pós-Furacão Irma

IMG_9328

Quantas vezes já ouvimos que na vida precisamos aprender a dançar em meio à tempestade? No entanto, o que isso significa para você?

Qualquer um que tenha passado pelo furacão Irma já não é mais o mesmo. Quem sobrevive a qualquer furacão jamais se esquece, devido ao caráter transformador desse tipo de experiência. Como sabem, moro há mais de vinte anos na Flórida – estado conhecido por seus dias ensolarados, e também por seus intensos furacões. Bem, vou compartilhar com vocês o que senti durante o furacão Irma.

Em meio a uma tempestade assustadora, o vento uivava e eu ouvia estrondos constantes. Presenciei uma chuva que parecia lavar a terra e tragar consigo de forma avassaladora tudo aquilo que invadia seu caminho. Vi nossa piscina em vias de transbordar, e árvores balançando com tamanha força que parecia que iam cair.

Diante de tudo isso, senti um medo terrível. Meu coração estava aflito. No entanto, tentei manter a serenidade para não apavorar meu filho. Ele, por sua vez, já há dois dias enfurnado em casa sem ter aulas (tendo em vista as medidas de segurança e o toque de recolher decretados pelo Governo da Flórida), andava de um lado para o outro, jogava futebol pela casa, e expressava sua ansiedade fazendo da porta o gol imaginário contra o qual ele chutava. Creio que ele, a sua maneira, estava “dançando em meio à tempestade”. Eu, por outro lado, absorvia o mínimo de informação necessária, de modo a não elevar minha ansiedade.

Embora eu aprecie o silêncio, cada instante tornou-se um desafio para mim. Assistir ao noticiário e acompanhar a trajetória do furacão testou meus níveis de ansiedade de um modo que eu jamais havia imaginado – oscilando em grau e intensidade em questão de segundos. O coração acelera, te faz transpirar, mexe com os pensamentos, e pode até causar pânico. Tenho consciência do que a ansiedade pode fazer com nossas emoções se dermos sinal verde aos pensamentos desequilibrados. Sendo assim, decidi respirar fundo, manter o foco, e confiar em Deus. Confiei Naquele a quem até os ventos e o mar obedecem. Ele, Jesus.

Meu esposo já havia preparado nosso refúgio no quarto de jogos de nosso filho – no andar de baixo de nossa casa. Para garantir nossa proteção, a janela havia sido revestida do lado de fora e por dentro com tábuas de madeira – gerando também um isolamento acústico. Quando acompanhei meu filho à cama, para fazê-lo dormir no chão daquele quarto, não ouvimos absolutamente nada. Silêncio total e aconchego. O quarto de jogos havia sido transformado em um refúgio de paz em meio à tempestade. Passamos a noite neste quarto – dormindo sobre cobertores, travesseiros, e colchão improvisados. Ali, não havia o barulho da tempestade, nem a ansiedade, ou sequer o medo.

 De fato, dançar na chuva pode significar coisas diferentes para cada indivíduo. No meu caso, o silêncio absoluto em meio à tempestade fez com que não apenas eu me desligasse do caos lá fora, mas também me ajudou a perceber que não importa a força da tempestade que estamos enfrentando. Inevitavelmente, manter o equilíbrio e a calma nos auxilia a passar pelas mais devastadoras experiências imagináveis.

Embora lutemos frequentemente contra emocões que nos esgotam e consomem nossa paz, manter a serenidade é essencial. Dançar na chuva pode ser uma das experiências mais marcantes de sua vida. A alma muitas vezes precisa desta oportunidade de renovação e limpeza. Ninguém que tenha passado por esse tipo de experiência, que tenha sobrevivido a um furacão, permanece o mesmo.

 Você está enfrentando algum furacão em sua vida? Alguma experiência tem testado seus limites? Pare, respire fundo, não olhe apenas para as circunstâncias. Encontre o seu lugar de refúgio. Permaneça em silêncio. Eleve o pensamento ao Criador dos Céus e da Terra. Lembre-se que depois de toda tempestade surge um lindo dia ensolarado e tudo se ajeita.

Talvez, em alguns casos, leve mais tempo do que gostaríamos para reconstruirmos a vida, nossas casas, ou o que quer que seja, mas o que importa é que com foco, paciência, e muita determinação conseguiremos.

Com carinho e gratidão pela vida,

Claudia Martins

7 Comment(s)

  1. Dra. Claudia,

    Parece que a minha própria aflição foi descrita neste texto. Ficamos todos muito assustados nestes últimos dias.
    Obrigada por ser tão humana ao escrever sempre trazendo esperança para as nossas vidas. Estava sentindo falta dos artigos!

    Elisa

    Elisa G. | set 13, 2017 | Reply

  2. Belissíma reflexão narrando o que todos nós passamos na madrugada de segunda-feira.
    Parabéns mais uma vez por suas palavras e sua comparação do furacão com as nossas vidas, texto muito bem contextualizado!!!

    Martha Felipe

    Martha Felipe | set 13, 2017 | Reply

  3. Que reflexão profunda e que nos desafia a encontrar paz e refúgio no Senhor.
    São Momentos como esses que sabemos que não existe preço ou valor para segurança e saúde ! Como estou feliz que o pior já passou.

    Priscylla Nascimento | set 13, 2017 | Reply

  4. Excelente texto! Descreveu perfeitamente como devemos lidar com nossas emoções. Acredito na força do nosso pensamento. Parabéns! Fique com Deus e continue ajudando as pessoas através dos seus artigos.

    Nívea Leandro | set 14, 2017 | Reply

  5. Certamente, cada dia é uma dádiva. Let us cherish each moment dearly.

    Dr. Claudia Martins | set 14, 2017 | Reply

  6. Excelente reflexão. Gratidão e paz, sabendo que o nosso Deus cuida de nós.
    Manter a calma e agradecer sempre!

    Lis Rejane Sommerville | set 14, 2017 | Reply

  7. Wow, voce conseguiu descrever perfeitamente o que todos nos sentimos neste Hurricane, Clau! Nao só no momento do furacão, mas a semana toda foi tão estressante com os preparativos, falta de agua, comida, gasolina, noticiarios, enfim, tenho um quartinho aqui que tbm foi meu refugio, quando entrei nele, eu orei, entreguei a Deus e senti esta paz que vc descreveu, por um momento dancei na chuva, descansei em meio a tribulação! Obrigada por compartilhar sua experiencia e mostrar que nos não estavamos sozinhos!

    Mariana | set 14, 2017 | Reply

Post a Comment