O que é a Terapia Cognitivo-Comportamental?

Na última semana tive o privilégio de ouvir do Pai da Terapia Cognitiva, Dr. Aaron Beck, mais sobre a Terapia Cognitiva-Comportamental. Participei durante alguns dias de um workshop de pós doutorado, sobre depressão e ansiedade ministrado principalmente por sua filha, Dra. Judith Beck, Diretora do Instituto Beck de Terapia Cognitiva e Pesquisa, na Filadélfia, e professora de psicologia clínica na Universidade da Pensilvânia.

A filha do criador da escola da psicoterapia, Dra.Judith Beck, defende o pragmatismo e resultados em curto prazo. O tratamento cognitivo tem caráter breve, focal e eficaz. Nem todos precisam remoer lembranças da infância para resolver problemas da vida adulta. Assim como não é o fato de ir ao consultório e falar por uma hora duas vezes por semana com um psicoterapeuta ou psicanalista que fará alguém modificar o que está incomodando em seu comportamento. Além disso, a psicoterapia não precisa durar anos, muito menos a vida toda.

O terapeuta cognitivo-comportamental encoraja o paciente a reavaliar os pensamentos que estão gerando estresse em sua vida. Com base na tentativa de mudar a maneira com que cada um responde aos problemas (usando para isso estratégias e tarefas a serem aplicadas), o método se popularizou pelo mundo afora devido a seus resultados em curto prazo. As técnicas utilizadas auxiliam os indivíduos a  identificar, avaliar, controlar e modificar as crenças que comandam sua visão de mundo, que podem ser disfuncionais. Crenças são “certezas” que o indivíduo constrói através da experiência. Algumas dessas crenças podem condicionar a vida do indivíduo, de modo a lhe perturbar, como, por exemplo, nos seguintes pensamentos: “tenho que ser perfeito”, “sou incapaz”, “o mundo é perigoso”.

A terapia cognitivo-comportamental é uma das psicoterapias mais pesquisadas, e uma das que mais têm trabalhos desenvolvidos em universidades e laboratórios. Durante décadas, as pessoas quiseram saber se a psicoterapia era eficaz ou não, se os tratamentos funcionavam ou não. Sempre houve estudos para outras patologias do homem, como a diabete, a hipertensão, e dores de todo tipo. Já na psicoterapia, na área da saúde mental, havia muito pouco. Dr. Aaron Beck  foi um dos primeiros a buscar esse suporte científico ainda na década de 60. Atualmente, há mais de 400 pesquisas no mundo todo que comprovam sua eficácia.

A Terapia Cognitivo-Comportamental é uma psicoterapia bastante pragmática. É focada na resolução de problemas, e busca ajudar as pessoas a mudarem sua visão, suas respostas e seus pensamentos. Nem todas as pessoas precisam voltar ao passado e ficar discutindo sua infância. Isto não quer dizer que não sejam tratados aspectos emocionais passados, mas sim que, inicialmente, o foco da terapia é o que mais aflige o paciente e, na maioria das vezes, estes problemas são pensamentos, sentimentos e comportamentos que estão ocorrendo na vida diária do indivíduo.

Em casos como depressão, transtorno do pânico entre outros, a pessoa está tão tomada pelo problema que sofre alterações no seu dia-a-dia – necessitando de uma intervenção mais rápida e ativa para retornar a seu equilíbrio anterior.
Nos dias atuais, a terapia cognitiva é considerada o tratamento de primeira escolha para a depressão e transtorno do pânico.

O terapeuta cognitivo- comportamental trabalha em conjunto com o cliente, aplicando e ensinando uma série de técnicas para que a pessoa possa se sentir melhor, ao mesmo tempo em que adquire autoconhecimento. Não é suficiente ir ao consultório e falar. Não é assim que a pessoa muda, ou que os problemas se resolvem. O necessário é fazer pequenas mudanças todos os dias.

 Outro fator de extrema importância que faço questão de mencionar é que existem pesquisas demonstrando que a terapia cognitivo-comportamental é duas vezes mais eficaz, no sentido de evitar que pacientes com depressão tenham recaídas, se comparada a situações nas quais os pacientes apenas tomam remédios.

 Ou seja, ela é de curta duração, mas produz mudanças de longo prazo. Porque a pessoa muda quando entende o que faz com que ela fique mal. As pessoas geralmente têm uma visão distorcida delas mesmas, acham que não são boas, que não fazem nada direito, e com isso não se sentem seguras. Quando identificam o modo como estão pensando e aprendem a reavaliar esse modo, observando os indícios, entendem que não é bem assim. O importante é o quanto a visão que têm de si mesmas e do mundo é apropriada.

Durante o tratamento, o paciente aprende a identificar os pontos em que pode melhorar, a fazer alguma coisa, e a começar a agir de outro modo. A terapia é bastante utilizada para transtornos de ansiedade, de humor, e fobias. Em outras palavras, todas as doenças que estão ou são relacionadas com o lado emocional das pessoas, e que causam algum tipo de interferência das emoções no comportamento.

 Os médicos cada vez mais reconhecem a importância da terapia cognitivo-comportamental, e indicam seus pacientes para este tipo de tratamento. Existem, inclusive, vários relatos de pessoas que fizeram outras formas de psicoterapias, mas que somente com a TCC conseguiram superar suas dificuldades com sucesso.  
“As crenças que temos sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre o futuro, determinam o modo como nos sentimos: o que e como as pessoas pensam afetam profundamente o seu bem-estar emocional.” 
( Beck & Kuyken, 2003)

Dra Claudia Martins

5 Comment(s)

  1. Amiga querida,
    Parabéns pelo liindo trabalho!
    Seu blog esta maravilhoso, cheio de riquíssimas informações.
    Grande beijo.

    Gisele | set 7, 2011 | Reply

  2. Dear Friend,

    Your blog is awesome!!! Thanks for all the information you’ve been posting here!
    CONGRATULATIONS !!! You Rock! :)

    Gisele | set 7, 2011 | Reply

  3. Parabéns pelo seu belíssimo trabalho!!!
    Que o Senhor possa continuar te abençoando e dirigindo os seus passos.
    Love you!!

    Martha Felipe | set 7, 2011 | Reply

  4. Como é Maravilhoso e abençoado as palavras de sabedoria que você ilumina a cada texto!
    Te amo

    priscylla | set 9, 2011 | Reply

  5. Hi Dr. Claudia.
    First of all I’d like to congratulate you on your work and your recognition that was amazing. I want to also thank you for all the help you have given me and all you’ve done with the therapies to help me discover myself a bit more. You are the best. I’d like to say I wouldn’t be where I am without your help.
    Love
    Renata

    Renata Toledo | set 9, 2011 | Reply

Post a Comment